GOLEIROS MAIS GOLEIROS

GOLEIROS MAIS GOLEIROS

domingo, 23 de maio de 2010

Tiro de Meta


Estava assistindo o VT da final da Copa de 1994 entre Brasil e Itália. No decorrer dos 90 minutos de jogo o goleiro Taffarel não bateu nenhum tiro de meta longo, ou seja, todas as reposições foram curtas. Taffarel também não fez nenhuma reposição na batida longa, apenas saiu curto com os zagueiros e laterais. O goleiro Pagluica, da seleção italiana, bateu pelo menos 6 tiros de meta longo e fez várias reposições com batidas longas. Neste jogo, a seleção brasileira teve uma maior posse de bola e provocou maior situação de gol, enquanto a Itália não teve nenhum chute que levou perigo ao gol brasileiro. Nesta análise vale ressaltar que o tipo de jogo que o técnico Carlos Alberto Parreira privilegiou foi a posse de bola e a troca de passes. Atualmente vemos vários jogos no qual o goleiro tem por obrigação bater longos tiro de meta e longas reposições para ganhar território e não ficar com a bola no campo de defesa. É claro que as batidas longas são importantes em determinadas situações, mas, não pode ser a única forma de reposição. A batida longa ou curta deverá ter como princípio o bom passe do goleiro, o respeito ao esquema tático e a situação imposta pela dinâmica da partida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se utilizar estas informações em algum trabalho, por favor, faça a citação do blog.
Obrigado.